Odemira: Maravilha Farms quer investir 19 milhões de euros para aumentar produção de frutos vermelhos

0

A Maravilha Farms, empresa agrícola de frutos vermelhos instalada nos concelhos de Odemira, no Litoral Alentejano, e Tavira, no Algarve, prevê investir 19 milhões de euros nos próximos cinco anos para duplicar a área de produção.

“Iremos fazer investimentos nos próximos cinco anos na ordem dos 19 milhões de euros, com aproximadamente uma duplicação das áreas produtivas em relação ao que temos hoje”, disse em declarações à agência Lusa o diretor geral da empresa, Luís Pinheiro, que tem a ambição de tornar a Maravilha Farms no “maior produtor europeu de pequenos frutos”.

Com cerca de 150 hectares de produção de framboesas, amoras e mirtilos nos concelhos de Odemira e de Tavira, o investimento vai permitir “duplicar a área atual de exploração para os 300 hectares”, especificou o mesmo responsável, que apontou uma meta de 50 milhões de euros de volume de negócios para daqui a cinco anos.

“Terminámos o ano de 2016 com uma faturação superior a 19,5 milhões de euros e estimamos atingir, com os investimentos que queremos lançar, um volume de negócios os 50 milhões de euros nos próximos cinco anos”, disse, indicando que atualmente cerca de “98% da produção” se destina ao “Reino Unido, Irlanda, Alemanha, países nórdicos e do Benelux”.

Destacando as condições ao longo de “quase todo o ano” para a produção de frutos vermelhos no concelho de Odemira, na zona da Zambujeira do Mar, Luís Pinheiro revelou que a empresa está “a analisar” outras “duas regiões possíveis para instalar projetos de mirtilo”, como é o caso da zona de Almeirim, no distrito de Santarém, e do Alqueva, no interior do Alentejo.

Instalada em Portugal há 10 anos, a operação da Maravilha Farms representa “cerca de 2% do universo da sua ‘holding'”, a Reiter Affiliated Companies (RAC), empresa americana que “há mais de cem anos, se dedica na Califórnia à produção de pequenos frutos”.

Com a concretização do investimento previsto em Portugal, a Maravilha Farms espera “duplicar o valor” que a produção nacional “representa para o grupo”, tendo também em conta que são as terras lusas que apresentam “a melhor rentabilidade por hectare”, por “questões relacionadas com o clima”.

O projeto agrícola da Maravilha Farms em Portugal emprega atualmente de “forma direta” cerca de 700 trabalhadores em Odemira e em Tavira, estimando nos próximos cinco anos “um aumento entre 60 a 70%” da mão-de-obra, para “fazer face ao crescimento”, além da mão-de-obra sazonal.

Com “cerca de 15%” de trabalhadores de nacionalidade portuguesa na área de produção, a Maravilha Farms chegou já a contar com operacionais de 22 nacionalidades diferentes.

“Odemira é uma região de baixíssima densidade populacional, que não tem de facto mão-de-obra suficiente para todos os setores de atividade e a agricultura é provavelmente o que mais se ressente”, disse, adiantando que as nacionalidades mais representadas na empresa, além da portuguesa, são a búlgara, a ucraniana, a romena, a tailandesa e a nepalesa.

O plano de investimento da Maravilha Farms, designado pela empresa como “Ambição 2021”, vai ser apresentado na segunda-feira, nas instalações da empresa, na freguesia de São Teotónio, em Odemira, numa cerimónia presidida pelo primeiro-ministro, António Costa, pelas 15:00.

Antes da cerimónia, durante a manhã, por volta das 11:45, está prevista uma visita de António Costa à empresa agrícola Vitacress, na Quinta dos Cativos, também no concelho de Odemira.

Deixar uma resposta

Share This