Região: Dimitri Strakhov venceu em Arraiolos a terceira etapa da Volta ao Alentejo Crédito Agrícola

0

A história repetiu-se para o russo Dimitri Strakhov (Lokosphinx) ao vencer, em Arraiolos, a terceira etapa da 36ª Volta ao Alentejo Crédito Agrícola, tal como tinha acontecido na véspera. Cronometrado com o mesmo tempo do vencedor, Mark Downey (Team Wiggins) mantém a Camisola Amarela Crédito Agrícola. O irlandês junta a liderança o  primeiro posto da classificação da juventude e olha para a competição com fé: “Amanhã é dia de São Patrício, na Irlanda, é uma grande celebração que me vai dar uma força extra”. Sempre sorridente Mark Downey, de 21 anos, perspectivou ainda a próxima etapa: “Vai ser um dia duro, mas conto agarrar-me à Camisola Amarela por mais um dia. Gosto bastante de contrarrelógios, se correr bem posso ganhar mais algum tempo”.

A tirada de 149,3 Km, que começou esta sexta-feira, 16 de março, em Grândola, foi discutida ao sprint na vila de Arraiolos que não recebia uma chegada da “Alentejana” há 20 anos. Para além do triunfo do dia Strakhov venceu uma Meta Volante em Pavia e passou a liderar a classificação por Pontos que se traduz na Camisola Preta KIA.

O pódio da “Alentejana”, em Arraiolos, ainda recebeu Luís Mendonça da Aviludo / Louletano/ Uli, o melhor português em prova, a apenas 4 segundos do líder na classificação geral. Depois de sair da cerimónia protocolar antecipou a etapa de sábado deixando uma promessa. “Sinto-me a subir bem, amanhã é para subir, e posso estar aí entre os melhores outra vez e, quem sabe, chegar à Amarela.”

Depois da mais longa quilometragem da “Alentejana” – 205,2 Km – podia achar-se que o pelotão queria um dia de descanso. Nada mais errado. Dos 127 homens que saíram esta sexta feira, da “Vila Morena”, o líder da montanha Alexander Evtushenko (Lokosphinx) e Ricardo Garcia (Team Euskadi) trataram de se adiantar na passagem por Alcácer do Sal. A partir daí: “Pernas para que vos quero!”, o duo deslizou pela planície alentejana e cruzou montes e vales. Durante cerca de 100KM pedalaram juntos e chegaram a ter mais de oito minutos de vantagem para o pelotão. O espanhol da Team Euskadi foi o primeiro a recuar ao pelotão depois de ter pontuado sempre na frente das duas Metas Volante. A faltarem 30KM para Arraiolos, Evtushenko disse adeus à frente da corrida com a perseguição a alta velocidade da Efapel e da W52-FC Porto mas antes já tinha somado os pontos preciosos que o agarram ainda mais à Camisola Castanha Delta Cafés, símbolo para o melhor trepador. A aproximação à vila dos tapetes foi feita em coluna compacta, a grande velocidade.

Este sábado, 17 de março, vai ser bem diferente com a realização de duas etapas: primeiro cumprem-se 64,2KM. A curta distância iniciada em Monforte (10h15) é compensada pela dura travessia da Serra de São Mamede antes do final em Portalegre (12h). Em Arronches haverá Meta Volante e no Parque Natural dois Prémios de Montanha de 2ª categoria, um deles, Cabeço do Mouro, a apenas cinco quilómetros e meio da meta. Sem tempo para aproveitar a diversidade natural e paisagística do Norte Alentejano, a caravana seguirá para Castelo de Vide que entre as 15horas e as 18h30 recebe um contrarrelógio de 8,4KM. Será curta, dura e intensa a luta contra o cronómetro que vai enfrentar a subida ao alto da Sra. da Penha, ermida na Serra de São Paulo, de onde se avista a pitoresca vila de Castelo de Vide. É o regresso do contrarrelógio ao fim de nove anos de ausência na “Alentejana”.

Deixar uma resposta

Share This