Região: Proibido regar jardins, encher piscinas e lavar carros

0

Quinze localidades do Alentejo, entre elas Sines, Santiago do Cacém, Grândola e Alcácer do Sal vão ter de reduzir o consumo urbano de água imediatamente. Com o país numa situação de seca preocupante – principalmente na bacia hidrográfica do Sado -, vai ser obrigatório reduzir a rega dos jardins e hortas, passará a ser proibido encher piscinas e lavar carros, e devem ser encerradas as fontes decorativas nas localidades de Alcácer do Sal, Aljustrel, Alvito, Ferreira do Alentejo, Grândola, Santiago do Cacém, Sines, Viana do Alentejo, Almodôvar, Castro Verde, Redondo, Alandroal, Arraiolos, Arronches e Borba. Autarquias que terão a partir de hoje reuniões com as autoridades do Ambiente para colocar em prática as medidas.

Esta foi um das decisões da Comissão Permanente de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca que ontem reuniu pela primeira e que aprovou várias medidas de prevenção e regulação da gestão da água que existe nas albufeiras nacionais, que estão, na sua maioria, cada vez mais vazias: segundo os dados de segunda -feira há 16 albufeiras com reservas de 40% ou menos da sua capacidade.

“A situação é cada dia mais preocupante, principalmente na bacia do Sado, mas parece claro que temos solução para ela”, adiantou o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes. O governante salvaguardou que apesar de a atual situação de seca ser a pior desde 1995 “não vai faltar água nas torneiras. Não há restrições para o consumo humano. Aliás estão definidas as prioridades: primeiro os humanos, depois animais, regas agrícolas e piscinas, lavagens etc”. E lembrou que a barragem de Alqueva está a dar uma ajuda – devido às suas ligações a albufeiras na região alentejana – a que o impacte da seca não seja tão visível na sua área de influência.

Entre as medidas aprovadas na reunião em que estiveram os ministros do Ambiente, Agricultura (Capoulas Santos), Mar (Paula Vitorino) e o ministro-adjunto Eduardo Cabrita, contam-se a proibição de fazer furos para a captação de água sem haver um licenciamento – até agora bastava um aviso prévio – e a possibilidade de retirar os peixes das albufeiras do Divor (Évora) e Pego do Altar (Alcácer do Sal), existindo ainda a hipótese de tal acontecer também na represa de Monte da Rocha (Ourique), onde também vão ser colocadas restrições a alguns usos da água. Já a produção de energia elétrica na albufeira de Póvoas e Meadas será condicionada.

João Matos Fernandes explicou ainda que estão a ser efetuados furos em Odemira, Arraiolos, Avis, Borba, Alandroal e Mértola para melhorar o abastecimento às populações e que foi feito um investimento de 510 milhões de euros na pré-reserva de camiões cisterna para o caso de ser necessário levar agua aos sistemas de abastecimento mais isolados.

O Ministério da Agricultura adiantou, entretanto, que em Outubro vão ser distribuídos 400 milhões de euros a todos os agricultores devido à antecipação, autorizada pela Comissão Europeia, dos pagamentos da Politica Agrícola Comum.

Deixar uma resposta

Share This