Sines: AICEP apresentou os resultados do relatório do primeiro ano de implementação do Plano de Monitorização da ZILS

0

Foram apresentados no dia 8 de novembro, os resultados do relatório do primeiro ano de implementação do Plano de Monitorização da ZILS.

O Plano de Monitorização Ambiental – PMA ZILS, tem como objetivo a avaliação dos impactos ambientais gerados pelas indústrias instaladas e a instalar na ZILS, nas componentes qualidade do ar e das águas subterrâneas e superficiais.

O PMA ZILS foi elaborado, em articulação, entre a Aicep Global Parques (entidade gestora da ZILS), a Comissão de Coordenação e desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDR-A), a APA Ambiente e a Câmara Municipal de Sines (CMSINES), e foi apoiado pelo Programa Operacional Regional do Alentejo do QREN 2007/2013.

A sua implementação implicou a construção da rede de piezómetros para monitorizar a qualidade da água – águas profundas e superficiais, a aquisição de equipamento para monitorizar a qualidade do ar e a contratualização de serviços técnicos externos e independentes para recolher amostras e medir resultados.

O diretor da ZILS, Miguel Borralho falou durante a apresentação das diversas etapas para a implementação e dos resultados. Em relação à monitorização do ar tendo em conta os resultados das várias componentes que integraram a monitorização da qualidade do ar na ZILS. Afirmou, que em termos gerais, não se registaram concentrações dos poluentes atmosféricos monitorizados que sejam indicativos de situações generalizadas de má qualidade do ar.

O nível do Índice de Qualidade do Ar verificou-se para qualquer uma das estações de monitorização da qualidade do ar, uma dominância clara (mais de 75% do ano) da classificação Boa e Muito Boa. O estudo de biomonitorização realizado com recurso a líquenes indicou a existência de uma menor diversidade de líquenes epífitos na zona da ZILS que na localidade de referência, o que atendendo às reduzidas concentrações de poluentes atmosféricos registados nas estações de monitorização fixas e com os amostradores passivos, é indicativo de serem resultado de níveis de concentração de poluentes atmosféricos ocorridos no passado

Em relação à qualidade da água, distinguiram-se a superficiais e as subterrâneas. Os resultados obtidos nas duas campanhas de monitorização da qualidade das águas superficiais, na Ribeira de Moinhos, permitiram concluir que a água analisada cumpre com os valores normativos definidos para água utilizada para rega, assim como com os objetivos ambientais de qualidade mínima e Normas de Qualidade Ambiental definidas para a Massa de Água.

Ao nível da Qualidade das Águas Subterrâneas, verifica-se que em ambas as campanhas a maioria dos piezómetros monitorizados apresentam incumprimento de pelo menos 1 dos 59 parâmetros considerados para a avaliação do estado químico da água subterrânea (limiares nacionais e normas de qualidade propostos pela APA – Agência Portuguesa do Ambiente no âmbito do segundo ciclo do Plano de Gestão de Região Hidrográfica do Sado e Mira (RH6)).

Analisando os resultados por aquífero (superior e inferior), conclui-se que, de um modo geral, o aquífero inferior apresenta um melhor estado químico do que o aquífero superior, o que era expectável dado existirem variados fatores que contribuem para esse resultado, nomeadamente a distância a percorrer pelos poluentes, fenómenos de biodegradação naturais, entre outros.

Foram ainda realçadas as medidas que tem vindo a ser adotadas nos últimos anos, tais como a remoção de solos contaminados e respetiva condução a destino final adequado, a instalação de uma rede piezométrica e o próprio Plano de Monitorização Ambiental da ZILS, que constitui um instrumento de medição e melhoria das condições ambientais da ZILS e que no seu conjunto contribuirão para uma melhoria ambiental efetiva do passivo histórico existente.

 

 

Deixar uma resposta

Share This