V. N. de Milfontes: Desassoreamento do rio Mira deve estar concluído em outubro

1

A empreitada de transposição de sedimentos da foz do rio Mira, incluindo o desassoreamento do leito e reposição de areias em praias de Vila Nova de Milfontes, já começou e deve estar concluída até ao final de outubro.

A preparação para o arranque da intervenção de transposição de sedimentos da foz do rio Mira para reforço do cordão dunar começou este mês, com a montagem da draga e do estaleiro da obra, bem como com a realização de um levantamento topo hidrográfico, explicou hoje à agência Lusa o presidente da Sociedade Polis Litoral Sudoeste, André Matoso.

A empreitada vai ser dividida em duas fases, começando com os trabalhos de dragagem do canal principal do rio Mira e a realimentação com areia das praias da Franquia e das Furnas até ao dia 15 de junho, data em que abre a época balnear no concelho de Odemira, distrito de Beja, e são interrompidos os trabalhos.

No mês de setembro é retomada a intervenção, com a execução de “trabalhos complementares” na praia da Franquia, como a criação de estruturas de drenagem de águas pluviais e a execução de regeneradores dunares.

Apesar do atraso da empreitada, o presidente da Câmara Municipal de Odemira, José Alberto Guerreiro, disse estar satisfeito com o arranque da obra, que considerou ser “urgente”, “determinante” e “há tanto tempo aguardada”.

O objetivo da intervenção, que vai permitir retirar parte de um banco arenoso que se formou na zona da foz, é mitigar a erosão na praia da Franquia e melhorar as condições de navegabilidade no acesso ao estuário do rio Mira.

A operação, que vai decorrer ao longo de cerca de dois quilómetros do rio Mira, prevê a retirada de 130 mil toneladas de areia do leito, até um máximo de 1,5 metros de profundidade abaixo do nível do mar, sendo cerca de 100 mil toneladas destinadas à praia da Franquia, em Vila Nova de Milfontes, e o restante à praia das Furnas, na margem sul.

“Toda a corrente do rio no estuário do Mira acabou por abrir dois caminhos, um junto à praia da Franquia e outro um pouco mais ao lado das Furnas, que estão a desassorear continuamente a foz e a criar dois corredores de circulação de água que não auguram nada de bom no futuro se o homem não fizer nada”, explicou.

Segundo o autarca, “a praia da Franquia tem atualmente um desassoreamento muito gravoso”, tendo até levado ao desmoronamento do passeio “em dois pontos da avenida marginal”.

“O que desejamos mais é que este trabalho seja realizado para não termos ali problemas maiores, que podem levar ao desmoronamento de parte da avenida marginal de acesso ao farol porque as marés são duas por dia e não param de retirar areia daquele circuito que foi criado no rio”, esclareceu.

O investimento total ronda 1,7 milhões de euros, comparticipado em 85% pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR).

Discussão1 comentário

  1. Se a narginal esta a cair p a praia(rio),nao será de pensar que foi mal pensada e que nao devia existir,a mim parece me que foi a estrada marginao que provocou a grande mudanca nas dunas,nos movimentos das areias e dos ventos……

Deixar uma resposta

Share This