Dia do Município celebrado com musicais da Broadway ao West End

0

Dia 24 de julho, às 22h00, no Parque Verde da Quinta do Chafariz, em Santiago do Cacém, realiza-se o concerto das comemorações do Dia do Município (25 de julho).

A Orquestra Música Viva apresenta “Os Musicais Imortais” da Broadway ao West End sob a direção de Alberto Oliveira, com a soprano Alexandra Bernardo e o barítono Joe Coronado.

Com uma formação de número variável de elementos, a  Orquestra Música Viva especializou-se em “musicais” americanos e ingleses.

Mas o seu repertório conta também com obras da música francesa, operetas, zarzuelas e os mais famosos temas ligeiros da música portuguesa.

A Orquestra Música Viva já se apresentou em inúmeros concertos por todo o país, e Espanha.

Uma noite para reviver temas intemporais.

Destaque para a presença de: Alexandra Bernardo, soprano lírico, iniciou os estudos com Carla Baptista Alves, tendo mais tarde concluído o curso de canto na EMNSC com a máxima classificação, sob orientação de Joana Levy. Em masterclasse trabalhou com Montserrat Caballé, continua a sua especialização em Ópera com Elena Dumitrescu Nentwig. Tem-se apresentado frequentemente em ópera, em concertos e recitais em Portugal e na Europa, onde conquistou vários prémios. Foi Eurídice em Orfeu e Eurídice, de Gluck, bailado de Olga Roriz para a Companhia Nacional de Bailado, com Divino Suspiro. Interpretou composições de E. Carrapatoso, de Vivaldi, de Duruflé, de Brahms, de Mozart e de Bach. É membro fundador da companhia Nova Ópera de Lisboa. Dos seus compromissos futuros destacam-se a 4ª Sinfonia, de Mahler, soprano solo, o Requiem, de Mozart, soprano solo, e a ópera Così fan tutte, de Mozart, como Fiordiligi, no Festival de Ópera de Coimbra.

José (Joe) Coronado, nascido nos Estados Unidos da América (Aurora, Illinois), reside em Lisboa, onde desenvolve a sua abrangente carreira, como fagotista, pianista, barítono e maestro. Aos treze anos, foi pianista no musical “Cabaret.” Estudou fagote e educação musical no “New England Conservatory” em Boston, Massachusetts. Em 1990 fixou-se em Lisboa onde, após ganhar o concurso para o seu instrumento, passou a integrar a Orquestra Gulbenkian como 2º. Fagote Solista. Como pianista, arranjador, maestro e cantor, participa nos agrupamentos Castafiore Trio (opereta), 4 por 4 (música popular de Macau, África, Portugal e Brasil), Vozes da Broadway.  Em abril de 2006, cantou dois papéis em “Salomé” de R. Strauss, na Fundação Gulbenkian.

São estes dois nomes que acompanhados pela Orquestra Música Viva garantem um espetáculo inédito, a não perder, em Santiago do Cacém.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.