Greve na Petrogal “cumpriu os objetivos” dos trabalhadores considera o sindicato

0

O coordenador da Comissão de Trabalhadores da Petrogal disse que a greve que terminou hoje na empresa “cumpriu os objetivos” e registou uma adesão de 70% nas áreas operacionais em Sines e de 80% no Porto.

“Para já, a apreciação provisória que fazemos da greve permite-nos dizer que cumpriu os objetivos dos trabalhadores, conseguimos baixar as cargas nas unidades operacionais de Sines e Porto e registámos uma adesão nas áreas operacionais de 70% em Sines e de 80% no Porto”, afirmou Hélder Guerreiro.

O também dirigente do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul (SITE Sul) disse que a paralisação na Petrogal teve como consequência “a interrupção do abastecimento nos terminais de Sines e Leixões”.

Os trabalhadores da Petrogal iniciaram às 00:00 de segunda-feira uma greve de cinco dias e meio em defesa dos seus direitos laborais e regalias sociais e pela negociação coletiva.

A greve, que terminou às 14:00 de hoje, foi convocada pelo Sindicato da Indústria e Comércio Petrolífero (SICOP) e pela Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Elétricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas (FIEQUIMETAL).

Os trabalhadores protestaram pelos seus direitos laborais, pelos regimes de saúde e de reformas e outras regalias sociais.

Em causa esteve também o regresso às negociações tripartidas, entre a empresa e a Comissão Sindical, sob a mediação do Ministério do Trabalho.

Os sindicatos que convocaram a paralisação consideraram que a administração da empresa não respeita a negociação, nem as recomendações do Ministério.

Segundo a Fiequimetal, a greve teve como objetivo “colocar um travão na continuada perda de direitos dos últimos anos, em que a Fiequimetal e o SICOP têm sido afastados da negociação coletiva”.

Hélder Guerreiro lamentou que, desde há cinco anos, os despachos governamentais sobre os serviços mínimos, ao garantirem “serviços máximos”, têm “limitado o impacto da greve”, o que tem sido “ignorado pelo Governo”, além de “estarem do lado do patrão”.

Os trabalhadores da Petrogal, empresa do grupo Galp Energia, fizeram várias greves em 2017.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Share This