Santiago do Cacém recebeu a conferência “Estratégia para Santiago”

0

Santiago do Cacém recebeu no dia 4 de maio, a primeira conferência promovida pela plataforma Santiago Global, na Sociedade Harmonia em Santiago do Cacém e com o título: “Estratégia para Santiago”.

A conferência organizou-se num primeiro painel onde foi possível conhecer alguns exemplos práticos da construção e implementação de “Estratégias de desenvolvimento Social e económico regional” em outras geografias e posteriormente, num segundo painel, conhecemos exemplos concretos de pessoas que no concelho de Santiago do Cacém vencem as “dificuldades e os desafios do desenvolvimento” das suas empresas e implementam e fazem crescer os seus projectos.

No primeiro painel, pela “mão” de Teresa Preta dos Territórios Criativos foi possível entender o efeito catalisador do desenvolvimento local, na criação de empresas e de empregos, mas também na dinamização de espaços disponíveis e mesmo degradados, que advém da criação e animação de incubadoras.

Ramiro Gonçalves, Secretário Executivo da Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega, trouxe até nós a experiência de problemas muito similares aos vividos no Alentejo Litoral. “Há uma grande identidade entre o alto Tâmega e o Alentejo Litoral, são as duas regiões do país com menor cobertura de ensino superior em Portugal.”

Hélia Gonçalves Pereira, uma Grandolense e professora do ISCTE – Lisboa, partilhou a resposta da sua escola e dos seus alunos à tragédia dos incêndios em Castanheira de Pêra e Figueiró dos Vinhos.

Foi um inspirador exemplo do muito que pode surgir de uma aproximação da academia aos problemas concretos das populações. Estes testemunhos permitiram à audiência conhecer e compreender o que é possível fazer para promover o empreendedorismo, e a capacidade de iniciativa e de energização, dos territórios mesmo nos contextos mais adversos e difíceis, experiências essas, com um forte potencial de replicação na nossa região.

No segundo painel conhecemos quatro empreendedores da região e os seus projectos, as principais dificuldades que enfrentaram para construir as suas. Ouvimos Jorge Nunes da Caixa Agrícola da Costa Azul relatar-nos de como, ao longo da sua vida, quer na gestão e dinamização do projecto da Caixa agrícola, quer em outros projectos que abraçou foi importante seguir o seu mantra: “Acreditar e Lutar”. Stéphane Kerdilès falou-nos da sua vinda para Portugal e de como houve que acreditar no seu projecto hortícola, o Jardim da Lagoa, que por 7 anos não atingiu o break-even, mas que hoje produz em 130 hectares produtos que escoa para as principais grandes superfícies nacionais e para exportação. Guida Silva contou-nos das suas incertezas quando abandonou o seu trabalho na ADL e abraçou um projecto familiar de turismo rural – Monte Giestal, que hoje atrai muitas centenas de hóspedes anualmente à Cova do Gato, Abela.

Por fim Miguel Ângelo Nunes da Destilaria Black Pig, premiada recentemente no Frankfurt International Trophy e no Virtus Awards 2019, veio falar dos muitos desafios que teve que vencer, nomeadamente no demorado licenciamento da sua destilaria, e defender a sua forte convicção de que necessitamos no nosso concelho de definir uma identidade, “A Identidade que seja do Alentejo” e a partir daí orientar as nossas acções de forma concertada e orientada com a identidade definida.

Durante o debate, foram ainda identificadas algumas dificuldades, nomeadamente a existência de algumas ideias e iniciativa local, bem como fundos disponíveis no plano comunitário, mas que faltam projectos suficientemente sustentados que permitam conquistar algumas dessas verbas.

Durante a conferência, decorreu a última fase do Desafio: Ideias para Santiago, um concurso de empreendedorismo promovido pela Santiago Global com o apoio da Cofidis e da Territórios Criativos. Neste âmbito, foi apresentada uma ideia de negócio por parte de dois jovens da Escola Secundária Manuel da Fonseca, tendo acolhido o interesse da audiência e do júri que lhe atribuiu o primeiro prémio no valor de 500€, patrocinado Cofidis.

A entidade Territórios Criativos, patrocinadora do segundo prémio, decidiu oferecer o valor do mesmo (200€) para ajudar a custear os custos da conferência e com isso “contribuir para a continuidade da iniciativa”.

O debate foi alargado a todos os presentes, tendo decorrido de forma rica e participada. Foram transmitidas opiniões, experiências e sugestões de trabalho futuro, recolhidas e sintetizadas neste documento como registo do trabalho feito, mas também como ponto de partida com propostas para o debate e construção de uma estratégia para a região.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.